Artigos

Os efeitos dos metais pesados constituintes da pilha

Os efeitos dos metais pesados constituintes da pilha.

pilhas


Em 1800, após alguns anos de constante experimentação, um professor secundário de Pavia, na Itália, fez uma importante descoberta. Alessandro Volta, (1745 – 1827), descobriu que empilhando alternadamente discos de metais diferentes, como prata e zinco, prata e cobre, ou cobre e chumbo e entremeando estes discos metálicos com discos de flanela embebidos em água e sal ou em vinagre, a pilha de discos produzia eletricidade. E assim surgiram as primeiras pilhas.

O que Alessandro Volta não podia imaginar é que seu grande feito seria reproduzido em larga escala nos dias de hoje e que através dessas mini usinas podemos usar rádios, controles remotos, lanternas, mp3, brinquedos, relógios, câmeras digitais, celulares, etc. Surgiram também as baterias que nada mais são do que uma junção em série de várias pilhas interligadas.

Para a produção de pilhas e baterias diversos metais são usados como mercúrio, chumbo, cobre, zinco, cádmio, manganês, níquel e lítio, estes metais representam um grande risco à saúde quando estão dispostos em locais incorretos, são metais pesados, tóxicos, reativos e cancerígenos.

Quais são os efeitos nocivos dos metais à saúde humana?

Mercúrio (Hg) - Congestão, inapetência (falta de apetite), indigestão, dermatite, diarreia (com sangramento), dores abdominais (especialmente epigástrico, vômitos, gosto metálico), elevação da pressão arterial, estomatites, inflamação da mucosa da boca, ulceração da faringe e do esôfago, lesões renais e no tubo digestivo, gengivite, salivação, insônia, dores de cabeça, colapso, delírio, convulsões, lesões cerebrais e neurológicas provocando desordens psicológicas.

Chumbo (Pb) - Anemia, disfunção renal, dores abdominais (cólicas, espasmo, rigidez), encefalopatia (sonolência, manias, delírio, convulsões e coma), neurite periférica (paralisia), problemas pulmonares.

Zinco (Zn) - Alterações no quadro sanguíneo, particularmente ferritina e hematócrito, problemas pulmonares.

Cádmio (Cd) - Câncer, disfunção renal, disfunções digestivas, (náusea, vômito, diarreia), problemas pulmonares, pneumonite, quando inalado.

Manganês (Mn)- Disfunção do sistema neurológico, efeitos neurológicos diversos, gagueira, insônia.

Níquel (Ni) - Câncer.

Lítio (Li) - Disfunção renal, disfunção do sistema neurológico, cáustico sobre a pele e mucosas (Hidróxido de lítio).

Baseado em estudos sobre estes impactos, a Resolução do Conama 257/99, estipula o grau de toxicidade e perigo de cada modelo de pilha, a ABNT – NBR 10004 classifica as pilhas e baterias como resíduos sólidos perigosos, por isso necessitam de descarte e coleta diferenciados.

Em Apiaí, a Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Turismo, Cultura e Meio Ambiente disponibilizou pontos de coleta, os PEVs (Pontos de Entrega Voluntária).

Confira abaixo os endereços dos PEVs em Apiaí:

Secretaria Municipal de Turismo Cultura e Meio Ambiente: Rua Joaquim Eliziário de Campos, nº 123, Centro

Centro de Informações Turísticas – CIT – Parque Natural Municipal Morro do Ouro

Biblioteca Municipal de Apiaí “Yolanda Bonow Leme” – Rua 1º de Maio, nº 875, Centro.

Casa do Artesão – Praça Jonas Dias Batista, nº 09, Centro.

Prefeitura Municipal de Apiaí – Ladeira Manoel Augusto, nº 92, Centro

Estas pilhas serão recicladas e usadas para temperar vidros, como sais de metais para diversas finalidades, finalizando assim seus riscos ao meio ambiente e à saúde de todos. Os colaboradores na coleta de pilha são Servegás e Águaboa.

O Morro do Ouro na mídia.

O Morro do Ouro no G1.comG1.com


Você já viu?

Nesta semana, dia 20 de outubro de 2013, o portal de notícias da Rede Globo publicou fotos do Parque Natural Municipal Morro do Ouro.

O interessante é o texto, "Confira fotos de Apiaí, SP, que abriga o Morro do Ouro", só confirma que não há como falar de Apiaí e descartar o Morro do Ouro é como falar do Rio de Janeiro e não lembrar do Cristo Redentor, de São Paulo e a Av. Paulista.

Confira as fotos no Portal G1.com.