Árvores do Morro

Árvores do Morro - Guaçatonga

Guaçatonga, Casearia sylvestris, Apiaí 

Guaçatonga

Casearia sylvestris

 

Guaçatonga, Casearia sylvestris, Apiaí 

É uma planta lenhosa, arbustiva ou arbórea, com folhas inteiras, de disposição alterna, em geral dística, com estípulas caducas encontrada especialmente nas regiões tropicais da América do Sul.

Erva-de-lagarto, caferana, caiubim, caiumbim, saritan, marinheiro, marinheiro-bravo, são-gonçalo, são-gonçalinho, cabatão, café-brabo, café-bravo, língua-de-tiú, pau-de-lagarto, erva-de-tiú, tiú, erva-de-teiú, chá-de-frade, café-do-mato, cafezeiro-do-mato, erva-de-lagarto, erva-de-tiú, espeto, lingua-de-tiú, pau-de-lagarto, caiubim, carniceiro e espeto, baga-de-pomba, café-de-bugre, cafezeiro-brabo, cafezeiro-bravo, cafezeiro-do-mato, erva-de-lagarto, erva-de-macuco, guassatunga e vaçatunga, caiubim, caiubim-branca, caubim, quaiubim,  arco-de-pipa, ramo-de-carne, café-de-bugre, cafezeiro-do-mato, carvalhinho, chá-de-bugre, erva-de-bugre, erva-de-pontada, guaçatunga,  varre-forno, breu-de-tucano, cafeeiro, cafeeiro-do-mato, cafezeiro e erva-de-lagarto, café-bravo, café-do-diabo, cafezinho-do-mato, canela-de-veado, erva-de-lagarto, erva-de-macuco, fruta-de-pomba, lagarteira, lagarteiro, língua-de-tiú, mata-gado e pau-delagarto, camarão.

Apresenta-se distribuída em quase todo o território nacional. Embora não seja restrita apenas ao território brasileiro, a guaçatonga é uma planta pioneira rústica e produtora de grande quantidade de sementes, sendo bastante comum em beira de estradas e ao longo de cercas de arame farpado. Ela aparece nas mais variadas formações florestais, com ênfase no sul do país, especialmente nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Produz flores pequenas, de coloração creme-esbranquiçada, cujo aroma reflete um cheiro forte, como se fora uma mistura de mel e ácido úrico. As flores apresentam-se num formato de cachos, as quais surgem nos galhos e nas porções axilares das folhas. A árvore floresce entre os meses de julho a outubro e frutifica de setembro a dezembro. Após a floração, que pode ocorrer já no segundo ano, aparecem seus pequenos frutos verdes, redondos, de 3-4 mm em diâmetro, que ao amadurecerem se tornam vermelho-alaranjados, deiscentes, que se abrem e mostram três sementes de coloração marrom.

Usos medicinais:

As folhas dessa espécie são de longa data amplamente utilizadas na medicina tradicional brasileira, principalmente para o tratamento de queimaduras, ferimentos, herpes e pequenas injúrias cutâneas. Suas folhas e casca são consideradas tônicas, depurativas, anti-reumáticas, anti-inflamatórios, é utilizada para o tratamento de doenças de pele e como depurativo do sangue e em muitos países da América do Sul entra na composição de produtos dentários e antisépticos.

Como indicações fitoterápicas, podem ser citadas: úlcera gástrica; feridas, eczemas, pruridos, distúrbios da pele e picadas de insetos; hidropisia; distúrbios da orafaringe (aftas, herpes simples e halitose ou mau hálito), na forma de chá.

A infusão das folhas é utilizada em vacas para problemas de retenção de placenta.

O cafezeiro-do-mato, este é mais um de seus nomes, exerce uma significativa ação anti-úlcera, reduzindo o volume de ácido clorídrico produzido. O cafezeiro-do-mato não interfere no processo de digestão dos alimentos e nem na absorção das proteínas. Comparativamente à cimetidina, não aumenta o pH gástrico, o que ocasionaria dificuldades na digestão das proteínas. Ele também previne a irritação da mucosa gástrica induzida pelo estresse.
Por conter taninos, forma revestimentos protetores na pele e nas mucosas, dificultando infecções.

Aumenta a diurese e ativa a circulação periférica, estimulando o metabolismo cutâneo, com conseqüente tonificação local.
Segundo a crença popular, o lagarto-tiú (Tupinamba sp.) só enfrenta uma cobra se houver um pé de cafezeiro-do-mato por perto, tamanho é o poder
cicatrizante da planta. Estudos farmacológicos com ratos utilizando o extrato de sua casca, mostraram atividade anti-inflamatória, protegendo-os contra o veneno da cobra jararaca - jararaca - Bothrops jararaca. por isso ela é usada também contra mordida de cobra.

logogo2  

Foto Galería

 

 

Árvores do Morro - Laranja-de-macaco

 Laranja-de-macaco, Posoqueria latifolia, Apiaí

Laranja-de-macaco

Posoqueria latifolia

 

 Laranja-de-macaco, Posoqueria latifolia, Apiaí

Conhecida popularmente como açucena-do-mato, araçá-da-praia, araçá-de-coroa, bacupari-de-capoeira, flor-de-mico, maria-peidorreira, papa-terra, posoquéria e puroí, é uma árvore ornamental da família Rubiaceae. Suas flores são brancas e perfumadas. O fruto é uma baga amarela.

logogo2  

Foto Galería