Calendário Ecológico

09 de Agosto - Dia Interamericano de Qualidade do Ar


ar 

A poluição nas grandes cidades é formada por diversas fontes sejam elas naturais, como as cinzas emitidas por um vulcão, ou artificiais, aquelas causadas pela interferência do homem no ambiente. Dentre as fontes artificiais mais agressivas à saúde humana está a fumaça preta, que é liberada em grande quantidade na atmosfera como resíduo da queima do combustível de um motor movido à Diesel (PALÁCIO, 2004).

Os motores a Diesel são amplamente utilizados há mais de um século praticamente em todos os continentes, principalmente nos países industrializados. Os motores a Diesel são em geral mais potentes e mais duráveis que os motores de ciclo Otto a gasolina (CONPET, 2006).

No Brasil, aliando as vantagens citadas ao atrativo preço do Diesel que é bem inferior ao dos outros combustíveis, os veículos movidos à Diesel figuram como uma ótima opção para a frota veicular coletiva e para o transporte de cargas.

A fuligem, outro nome dado a fumaça preta emitida por esses motores, representa aproximadamente 80% do material particulado emitido, que é extremamente nocivo à saúde dos seres vivos.
Ela é composta de partículas muito pequenas que giram em torno de 2,5 μm (PM 2,5). Partículas com dimensões menores que 10 μm (PM10) são consideradas inaláveis.
Conclui-se então que a fumaça preta é formada por partículas de dimensão muito pequena que penetram facilmente nos pulmões levando toxinas à corrente sanguínea (CONPET, 2006).
Os grupos populacionais mais afetados pelo material particulado são fetos, crianças abaixo dos 5 anos de vida e idosos (SALDIVA, 2007).
Algumas doenças predispõem a uma maior suscetibilidade aos efeitos adversos do material particulado como: doença pulmonar obstrutiva crônica, insuficiência cardíaca e infarto.
A legislação referente à emissão de fumaça preta está no art. 32 do regulamento da Lei Estadual n.º 997, de 31 de maio de 1.976 - aprovado pelo Decreto Estadual n.º 8.468, de 8 de setembro do mesmo ano -, que determina o seguinte:
"Art. 32 - Nenhum veículo automotor a óleo Diesel poderá circular ou operar no território do Estado de São Paulo emitindo pelo tubo de descarga fumaça com densidade colorimétrica superior ao Padrão 2 da Escala de Ringelmann, ou equivalente, por mais de 5 (cinco) segundos consecutivos, exceto para partida a frio" (PALÁCIO, 2004).

A qualidade do ar está diretamente ligada ao bem-estar e equilíbrio do meio ambiente, o que vemos hoje em grandes centros é o aumento de emissões de gases atmosféricos que alteram o padrão de vida dos munícipes e traz muitas doenças respiratórias, principalmente em épocas de clima seco.

O apelo para melhoria do padrão do ar que respiramos é uma das preocupações que vem crescendo cada vez mais, sabemos que diversos gases perigosos são liberados pelos tubos exaustores dos automotores, estes gases são responsáveis também por um problema mundial, o aquecimento global.
Dióxido de Nitrogênio (NO2), Monóxido de Carbono (CO) que é asfixiante, Dióxido de Enxofre (SO2) que é responsável pelas chuvas ácidas, Chumbo (Pb) que é carcinogênico, entre outros que em associação com os gases presentes na atmosfera trazem grandes prejuízos ao meio ambiente.